CREATINA NA PERIODIZAÇÃO DE TREINOS

Considerando os conceitos da bioquímica aplicada ao exercício, a fonte imediata para a produção de energia na execução do esforço, são as moléculas de adenosina trifosfato (ATP) armazenadas no interior das células.

O sistema energético imediato para a ressíntese de ATP, provem diretamente da degradação de outra molécula, a fosfocreatina. Em exercícios de alta intensidade, a necessidade de degradação da fosfocreatina para a ressíntese de ATP está consideravelmente elevada a fim de atende a demanda do esforço, entretanto, a capacidade de armazenamento da fosfocreatina pelo organismo é reduzida.

A capacidade de armazenamento de fosfocreatina, deve ser interpretada como um dos fatores críticos para instalação de exaustão no esforço Máximo. Assim, a suplementação com creatina é utilizada para elevar as reservas, favorável a disponibilização imediata de energia. Além de maximizar a recuperação energética entre os intervalos de recuperação, aspectos necessários aos praticantes de treinamento de força.

Estudos têm associado o efeito da suplementação com Creatina no aumento da força e hipertrofia em praticantes de exercícios.

Tais adaptações são reconhecidamente decorrentes de importantes fatores: retenção hídrica; maior disponibilidade de substrato energético para a ressíntese de ATP, aumento da expressão gênica eficiência da tradução de proteínas relacionadas a síntese proteica, bem como proliferação de células satélites, auxiliando no remodelamento tecidual.